terça-feira, 25 de outubro de 2011

PostHeaderIcon DEZ MOTIVOS PARA LEVAR SEU AMIGUINHO AO VETERINARIO


Você sabe quando um problema de saúde do seu amiguinho é uma ameaça à vida dele e exija atenção imediata de um veterinário? Veja a compilação das emergências mais comuns atendidas pelos veterinários:

1. Trauma
Se o seu amiguinho sofreu algum tipo de trauma, como queda, ferimento por arma de fogo, atropelamento ou briga com outro animal, é necessário levá-lo ao veterinário imediatamente. Mesmo que o seu amiguinho pareça bem, ainda é importante fazer um check-up porque, às vezes, as lesões decorrentes de um evento traumático, como ruptura de pulmão, hérnia diafragmática ou hemorragia interna, não manifestam sintomas de uma hora para outra.
Se a ida ao veterinário demorar, mordidas mais profundas, mesmo que não aparentem, podem virar sérias infecções.
Muitas vezes o tutor não presenciou o acidente, mas se o seu amiguinho estiver mancando, aparentando ter alguma dor ou não estiver se comportando de modo normal, então é melhor levá-lo ao veterinário.


2. Dificuldades para respirar
A dispneia, ou dificuldade para respirar, pode se manifestar das seguintes formas: asfixia, chiados, respiração fraca e rouca ou ainda com uma parada respiratória.
Ela pode ser causada por um corpo estranho na garganta, uma reação alérgica ou por doenças cardíacas e pulmonares.
Se o seu amiguinho tiver engolido alguma coisa, é importante que o tutor não tente removê-lo sozinho, pois o objeto pode ir mais fundo, obstruindo completamente as vias áreas.

Problemas respiratórios quase sempre indicam problemas graves de saúde, por isso não é recomendado esperar mais tempo para tomar alguma medida.


3. Problemas neurológicos
Os sintomas dos problemas neurológicos são: desorientação, falta de coordenação, letargia, apatia e coma. Um animal saudável é brilhante e está sempre alerta. Qualquer mudança acentuada no estado mental do animal exige atenção veterinária imediata. Letargia e fraqueza são sinais que não podem ser ignorados porque podem indicar uma doença mais séria.
Às vezes, as desordens neurológicas não afetam a atividade mental do animal (por exemplo, a perda do uso dos membros posteriores pode ser decorrente da ruptura de um disco vertebral). Por isso, essas desordens necessitam de atenção veterinária imediata para que o resultado seja o melhor possível.

4. Convulsões
Convulsões também são consideradas uma desordem neurológica, mas são tão freqüentes em cães que merecem um tópico próprio. Os sinais associados à convulsão incluem agitação e tremores incontroláveis, perda da consciência, fraqueza nas pernas e perda do controle intestinal e urinário.
A causa mais comum das convulsões é a epilepsia. Se o seu amiguinho for assim diagnóstico, o tutor deve saber que nem toda convulsão será um caso de emergência. Se o animal tiver múltiplas convulsões em menos de 24 horas ou se uma crise durar mais que alguns minutos, o animal precisa ser levado ao veterinário imediatamente.
O ideal é conversar com o veterinário sobre como gerenciar a epilepsia e observar. Outras causas incluem hipoglicemia em filhotes, insulinoma em cães mais idosos e toxicidades.
 



5. Exposição a substância tóxica
Se o tutor encontrar veneno de rato mastigado ou algum saco de fertilizante rasgado e suspeitar que o seu amiguinho tenha tido contato com essas substâncias tóxicas, o ideal é ligar imediatamente para o veterinário. Ele poderá aconselhar o tutor a induzir o animal ao vômito, a monitorá-lo para saber se a toxina ingerida será inócua ou ainda poderá pedir que procure um hospital veterinário.
Mantenha sempre uma garrafa de peróxido de hidrogênio em casa, caso o veterinário recomende a indução do vômito.


6. Vômito e diarreia
Estes são dois problemas comuns em animais e podem ser sinais de uma doença maior ou, na maioria dos casos, problemas gástricos que podem ser resolvidos em 24 horas.
Se o seu amiguinho aparenta estar bem e a comida ingerida fica retida no estômago no período de quatro a seis horas, verifique se ele tem água suficiente para se manter hidratado.
Se desenvolver sinais clínicos como letargia, fraqueza ou dor, então é necessário levá-lo ao veterinário. O mesmo acontecerá caso o vômito ou a diarreia permaneça por mais de um dia ou se tiver sinais de sangue.
Se o seu amiguinho tiver algum problema crônico, como diabetes, e começar a vomitar, então é recomendado esperar 24 horas e depois procurar um veterinário o mais rápido possível.


7. Abdômen distendido ou dor abdominal
A distensão abdominal pode ser acompanhada de vômitos secos, náusea, fraqueza, colapso e dificuldades respiratórias. Pode ser causada por ar preso no estômago, que provoca desconforto no animal. Esta condição é conhecida como dilatação-vólvulo gástrica, ou comumente também chamado de inchaço, e ocorre em cães de grande porte.
Pode representar uma ameaça à vida se não for tratada rapidamente. Outras razões para a distensão abdominal são: distensão de líquido (ascite) decorrente de doenças cardíacas e hemorragia interna provocada pela ruptura de algum órgão.


8. Problemas oculares
Doenças nos olhos dos cachorros têm uma tendência a piorar mais rapidamente que em outras áreas do corpo. Esse problema pode se transformar na perda da visão ou até mesmo na cegueira se não for tratado, especialmente nos casos de glaucoma.
Os sinais de que há alguma anormalidade são: vermelhidão nos olhos, secreção, inchaço, lacrimejamento em excesso e estrabismo. Mesmo que aparente ser apenas um corpo estranho ou arranhão superficial na córnea, o seu amiguinho deve ser levado ao veterinário para que o caso não se agrave.



9. Problemas urinários
Se o seu amiguinho não estiver urinando, o tutor deve levá-lo ao veterinário o quanto antes. Mesmo sendo um problema mais comum em gatos, obstruções urinárias também podem ocorrer em cachorros e são um risco para a vida.
Se o tutor notar sangue ou alguma dificuldade para urinar, pode ser que seja uma infecção urinária ou algum cálculo, que pode bloquear o canal se não for tratado.


10. Emergências no parto
Se a sua amiguinha entrar em trabalho de parto e demorar mais que quatro horas para que o primeiro filhote nasça, ou tente parir por mais de meia hora sem sucesso ou ocorra um intervalo de mais de duas horas entre o nascimento de um filhote e outro, ela pode estar tendo uma distócia. Neste caso, o veterinário deve ser imediatamente consultado.
Esta lista não é definitiva, é apenas uma compilação das emergências mais comuns presenciadas por veterinários.  Se algo estiver acontecendo com a cachorra e o tutor não souber se é ou não um caso de emergência, um telefonema para o veterinário pode ajudar.
Por isso, tenha sempre à mão o número do consultório e o de uma clínica de emergências 24 horas. Como tutor, você sabe o que é o melhor para a sua amiguinha. Se suspeitar que algo está errado, não hesite em ligar nem tenha vergonha. Esta simples ação pode significar a diferença entre a vida e a morte.






0 comentários:

Postar um comentário

Páginas

Procurar

Carregando...

Seguidores

Tecnologia do Blogger.